DIGA ÀS NAÇÕES UNIDAS QUE PROTEGER A VIDA DO NASCITURO NÃO É UMA FORMA DE TORTURA

Desta vez o lobby abortista deseja equiparar a protecção da vida à prática da tortura

 

DIGA ÀS NAÇÕES UNIDAS QUE PROTEGER A VIDA DO NASCITURO NÃO É UMA FORMA DE TORTURA

0200.000
  134.332
 
134.332 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 200.000 assinaturas.

DIGA ÀS NAÇÕES UNIDAS QUE PROTEGER A VIDA DO NASCITURO NÃO É UMA FORMA DE TORTURA

Neste mês de Junho, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra discutirá o “Relatório do Grupo de Trabalho sobre a questão da discriminação contra as mulheres na legislação e na prática”.

Embora o documento seja atraente em alguns pontos (propõe mecanismos para acabar com a mutilação genital feminina, trata de forma adequada o tema da menopausa e do envelhecimento das mulheres, o combate à pobreza e garante cuidado materno adequado durante e após o parto), também tem muitas falhas significativas, como a proposta de legalização da prostituição.

Mas acima de tudo o documento se concentra no aborto, propondo sua legalização, o acesso indiscriminado à contracepção (incluindo a contracepção abortiva emergencial) e a doutrinação das mulheres e crianças por meio do eufemismo “direitos” sexuais e reprodutivos.

Um ponto importante do documento alega que a proibição do aborto é algo típico da “cultura patriarcal”, viola a dignidade das mulheres, ameaça sua vida e saúde, podendo ser descrita como “tortura”.

O documento afirma: “O Comité contra Tortura e o Comité de Direitos Humanos determinaram que, em alguns casos, forçar uma mulher a manter uma gravidez indesejada corresponde a um tratamento cruel e desumano”.

O texto também propõe a eliminação de todas as “restrições” em relação ao aborto, das penalidades para aqueles que o praticam, do bloqueio ao acesso à informação, da objecção de consciência sem alternativas, dos requerimentos para o consentimento de terceiros (marido, pais, juiz, etc.), dos períodos obrigatórios para reflexão e dos limites à cobertura de seguros públicos. Em outras palavras, o documento procura garantir o acesso livre ao aborto, sem qualquer tipo de controle ou limitação.

O documento também propõe educação focada em “saúde sexual e reprodutiva”, um eufemismo para aborto livre. Argumenta-se que o currículo deveria ser baseado na ciência, não em “tabus” ou “estereótipos religiosos”...

Naturalmente, têm de admitir que nenhum contraceptivo é 100% eficaz, sendo, portanto, necessário legalizar o aborto “para que as mulheres tenham controle sobre seus corpos”.

Escreva agora aos embaixadores do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas para dizer a eles o que você pensa. Defender a vida do nascituro não é uma forma de tortura. 

+ Letter to:

Assine esta petição agora!

 
Please enter your first name
Please enter your last name
Please enter your email
Please enter your country
Please enter your zip code
Ao assinar você aceita os termos de uso da CitizenGO e sua política de privacidade, e aceita receber mensagens de e-mail sobre nossas campanhas. Você pode cancelar seu cadastro na lista a qualquer momento.

Proteger a vida do nascituro não é uma forma tortura!

Estimados Embaixadores do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas:

Leio com preocupação o relatório elaborado, em Abril deste ano, pelo Grupo de Trabalho sobre Discriminação contra as Mulheres.

Esse documento defende a completa legalização do aborto e alega que a oposição à prática do aborto é uma “instrumentalização e politização do corpo da mulher”, “uma violação dos direitos humanos das mulheres” e até “tortura”.

Proteger a vida humana é o primeiro dever da humanidade e, portanto, o primeiro dever das instituições nacionais e internacionais.

O artigo 6.5 do Pacto Internacional sobre Direitos Civil e Políticos afirma:

“A sentença de morte não deve ser imposta para crimes cometidos por pessoas que tenham menos de dezoito anos de idade e não deve ser aplicada às grávidas”.

Além disso, o preâmbulo da Declaração de Direitos da Criança afirma: “A criança, em razão de sua imaturidade física e mental, precisa de protecção e cuidados especiais, incluindo a protecção legal apropriada, tanto antes como depois do nascimento”.

Peço, por favor, que rejeite o texto deste documento, que não somente é contrário aos acordos já assinados, mas está muito distante da realidade social e das verdadeiras necessidades das mulheres. 

Atenciosamente,
[Seu nome]

DIGA ÀS NAÇÕES UNIDAS QUE PROTEGER A VIDA DO NASCITURO NÃO É UMA FORMA DE TORTURA

Assine esta petição agora!

0200.000
  134.332
 
134.332 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 200.000 assinaturas.