STOP agenda LGBT na OEA

Apelamos ao respeito pela célula básica da sociedade.

 

STOP agenda LGBT na OEA

STOP agenda LGBT na OEA

050.000
  37.636
 
37.636 assinado. Vamos conseguir 50.000!

ÚLTIMA HORA (30 de Setembro) VÍDEO: Parlamentares da República Dominicana dizem NÃO à interferência ideológica da OEA

O projeto de resolução sobre os Direitos Humanos para a 52ª Assembleia Geral da OEA a realizar de 5 a 7 de Outubro inclui uma linguagem extraordinariamente agressiva:

Referências constantes à saúde e direitos sexuais e reprodutivos que - na linguagem internacional - equivale a um "direito" ao aborto.
Solicita aos Estados que permitam uma documentação de identidade que "não discrimine" com base na orientação sexual ou identidade de género. Por outras palavras, o cartão refletiria a auto-perceção.
Apela também aos Estados para que proíbam as chamadas "terapias de conversão" com base no facto de não respeitarem a orientação sexual e a identidade de género.
A obsessão do documento é tal que, quando fala dos efeitos da covid-19 , centra-se nos efeitos da violência baseada no género e nos chamados direitos sexuais e reprodutivos.
Nas 58 páginas do documento, é feita referência aos chamados direitos sexuais e reprodutivos em 35 ocasiões, enquanto que os direitos laborais mal são mencionados 5 vezes, e em 4 dessas 5 ocasiões para denunciar a alegada discriminação laboral sofrida pelo colectivo LGTB.

O preconceito ideológico é claro. Os países mais agressivos são o México, o Peru, os Estados Unidos e El Salvador.

Contudo, podemos salvar o texto e redireccioná-lo para os problemas reais da região: igualdade laboral e social, apoio à família e reforço institucional necessário.

A Guatemala e o Paraguai serão provavelmente aliados; o Uruguai é provável e talvez algumas ilhas das Caraíbas.

Estaremos no terreno a fazer lobbying. Mas também queremos provocar uma cascata de reações nas caixas de entrada dos delegados. Ao assinar esta campanha estará a enviar um e-mail a cada um dos embaixadores na OEA.

Para mais informações:

Pode consultar o projecto de resolução dos Direitos Humanos aqui:
https://docs.google.com/document/d/1rS3spStH1joDSijFWBlZgu446C1X1svd/edi...

O slogan da Assembleia:
Juntos contra a discriminação. https://www.oas.org/es/centro_noticias/fotonoticia.asp?sCodigo=FNC-122684

Verifique aqui as informações oficiais:
https://www.oas.org/es/52ag/

Congresso recusa-se a instalar sanitários trans para a 52ª Assembleia Geral da OEA:
https://www.aciprensa.com/noticias/congreso-rechaza-implementacion-de-ba...

050.000
  37.636
 
37.636 assinado. Vamos conseguir 50.000!

Complete your signature

Assine esta petição agora!

 
Please enter your email
Please enter your first name
Please enter your last name
Please enter your country
Please enter your zip code
Por favor, escolha uma opção:
Processamos a sua informação de acordo com a nossa política de Termos e Privacidade

A família é a célula básica da sociedade latino-americana.

Atenção Delegados da OEA

Li com preocupação o projeto de resolução dos Direitos Humanos proposto para a 52ª Assembleia Geral da OEA.

O preconceito ideológico é claro a partir das constantes e permanentes referências aos direitos sexuais e reprodutivos e à orientação sexual e identidade de género.

O texto propõe que o documento de identidade seja adaptado ao género com que cada pessoa se percebe, gerando um problema de grave de insegurança jurídica.

Além disso, o texto propõe que os Estados devem proibir as chamadas terapias de conversão, limitando a liberdade dos indivíduos e dos profissionais.

Quase não há referências aos problemas reais da região: a necessidade de fortalecer a família como célula básica da sociedade latino-americana, a igualdade social, a justiça laboral - não apenas para a comunidade LGBT - e a luta eficaz contra a corrupção, que drena recursos que deveriam ser destinados ao bem-estar social e ao Bem Comum.

É por isso que vos exijo que removam o conteúdo ideológico e reorientem o texto para a realidade que estamos a viver.

[Seu nome]

A família é a célula básica da sociedade latino-americana.

Atenção Delegados da OEA

Li com preocupação o projeto de resolução dos Direitos Humanos proposto para a 52ª Assembleia Geral da OEA.

O preconceito ideológico é claro a partir das constantes e permanentes referências aos direitos sexuais e reprodutivos e à orientação sexual e identidade de género.

O texto propõe que o documento de identidade seja adaptado ao género com que cada pessoa se percebe, gerando um problema de grave de insegurança jurídica.

Além disso, o texto propõe que os Estados devem proibir as chamadas terapias de conversão, limitando a liberdade dos indivíduos e dos profissionais.

Quase não há referências aos problemas reais da região: a necessidade de fortalecer a família como célula básica da sociedade latino-americana, a igualdade social, a justiça laboral - não apenas para a comunidade LGBT - e a luta eficaz contra a corrupção, que drena recursos que deveriam ser destinados ao bem-estar social e ao Bem Comum.

É por isso que vos exijo que removam o conteúdo ideológico e reorientem o texto para a realidade que estamos a viver.

[Seu nome]