OMS: NÃO INSTRUMENTALIZE O ZIKA VÍRUS PARA PROMOVER O ABORTO

A proliferação do Zika vírus está sendo instrumentalizada para promover a cultura da morte

 

OMS: NÃO INSTRUMENTALIZE O ZIKA VÍRUS PARA PROMOVER O ABORTO

0100.000
  86.690
 
86.690 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 100.000 assinaturas.

OMS: NÃO INSTRUMENTALIZE O ZIKA VÍRUS PARA PROMOVER O ABORTO

 

ÚLTIMA HORA (29 de janeiro) A Fundação Rockefeller, proprietária do zika vírus. Casualidade? (em espanhol)

A estratégia parece clara. Grupos feministas, principalmente Women’s Link Worldwide, de Monica Roa (EUA-Colômbia) estão utilizando o vírus Zika para promover a legalização do aborto.

A nota oficial da OMS sobre o vírus, publicada neste mês, assinala o seguinte:

  • Apenas uma em cada quatro pessoas contaminas com o vírus sofrem seus sintomas. A taxa de hospitalização é baixa.
  • Os efeitos são leves: febre não elevada e conjuntivite durante 2 a 7 dias.
  • Para combatê-lo, a OMS sugere repelentes de mosquito, roupas claras, mosquiteiros, limpar produtos que permaneçam na água e a pulverização de veneno contra o mosquito.
  • Os pacientes devem permanecer em repouso, beber líquidos e tomar analgésicos.
  • “Os organismos que estão investigando esses surtos estão encontrando provas cada vez mais numerosas de uma relação entre o vírus Zika e a microcefalia, embora sejam necessárias mais investigações para entender essa relação. Também estão sendo investigadas outras causas possíveis”.

Em pouco tempo as feministas fizeram do mosquito seu melhor aliado:

  • Monica Roa, porta-voz de Women’s Link World Wide: “Uma notícia de alcance tão massivo pôs em evidência as grandes lacunas em matéria de educação sexual que ainda existem (...) O Ministério da Saúde tem de adotar uma postura clara. Não digo que tenha de recomendar a todas as mulheres com Zika que abortem, mas que possa informá-las sobre quais são suas opções”.
  • Débora Diniz, professora da Faculdade de Direito na UNB e pesquisadora do Instituto de Bioética Anis disse: “Falar do direito ao aborto no caso de um diagnóstico de microcefalia no feto significa reconhecer que as mulheres podem tomar decisões reprodutivas”.

Políticos e meios de comunicação abortistas se unem à campanha:

  • O Vice-ministro da Saúde da Colômbia, Fernando Ruiz Gómez: “Todas as gravidezes na Colômbia são consideradas agora de alto risco”.
  • O Secretário de Saúde do Mato Grosso do Sul, Nelson Tavares, disse: “Devemos mudar as questões culturais sobre o debate a respeito do aborto (...) A questão não é ser a favor ou contra o aborto, mas discutir cientificamente qual será a profundidade que daremos na questão da autorização do aborto em casos de microcefalia ou anencefalia”.
  • Editorial da Folha de São Paulo: “O mais racional seria revisar as normas e despenalizar a interrupção da gravidez. A legislação já tem três quartos de século. Parece justo, além disso, que a mudança seja submetida a um plebiscito ou referendo, dado seu caráter controverso”.

A diretora da OMS, Margaret Chan, se soma à estratégia do pânico:

O nível de alerta da organização é extremamente alto por quatro motivos: primeiro, pela possível relação do vírus com os casos de microcefalia em bebês, pela disseminação internacional que se espera dele, pela falta de imunidade da população exposta a ele e pela ausência de uma vacina ou ferramentas de diagnóstico rápido (...) O vírus se expande de maneira explosiva.

Tudo isto depois de reconhecer que:

Não se estabeleceu uma relação causal entre o Zika e a microcefalia.

Não obstante, ela afirma ter “fortes suspeitas”. As razões? Em 2015, foram registrados 3.500 casos de bebês com microcefalia frente os 150 casos do ano anterior. Além disso, assinala, o vírus foi detectado no líquido amniótico de algumas mulheres grávidas e no cérebro de bebês falecidos.

O diretor da OMS das Américas é mais explícito em uma mensagem com forte conteúdo eugênico:

Não podemos tolerar que continuem nascendo crianças com más-formações.

A OMS convocou um comitê de urgência para esta segunda (01/02) com o objetivo de estudar quais medidas devem ser tomadas em fase da expansão do vírus.

Você pode enviar um e-mail à diretora da OMS, Margaret Chan, e pedir que ela não permita a instrumentalização do trabalho técnico por razões ideológicas. 

+ Letter to:

Assine esta petição agora!

 
Please enter your first name
Please enter your last name
Please enter your email
Please enter your country
Please enter your zip code

Não instrumentalizem a proliferação do Zika vírus para promover o aborto!

À Dra. Margaret Chan:

Soube que nesta segunda-feira (01/02) haverá uma reunião na OMS para analisar o enfoque integral de combate ao Zika vírus.

Gostaria de saber por que a OMS, em poucos dias, passou da preocupação ao “alerta extraordinariamente alto”.

Se não está cabalmente provada a relação entre o vírus e a microcefalia dos bebês, o razoável é não fazer alarmismo.

Espero que a solução do comitê desta segunda não seja promover legislações que permitam a destruição da vida humana.

Ainda que se prove definitivamente que os vínculos entre o Zika e microcefalia são certos, acabar com a vida dos bebês que desenvolvem a microcefalia é uma prática eugênica.

Diante da disseminação de um vírus de impacto moderado, deve haver uma resposta equilibrada e ponderada: deveriam atuar para facilitar junto aos governos os próprios meios sugeridos pela OMS para combater o mosquito transmissor.

A OMS não deve aproveitar o Zika vírus para uma campanha ideológica e eugênica contra o direito à vida de todo e qualquer ser humano, especialmente o mais vulnerável deles: o bebê no ventre materno. 

Atenciosamente,
[Seu nome]

OMS: NÃO INSTRUMENTALIZE O ZIKA VÍRUS PARA PROMOVER O ABORTO

Assine esta petição agora!

0100.000
  86.690
 
86.690 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 100.000 assinaturas.