Prisão para os condenados na segunda instância, antes de esgotados TODOS os recursos possíveis.

Petição dirigida a: Aos Ministros do Supremo Tribunal Federal

 

Prisão para os condenados na segunda instância, antes de esgotados TODOS os recursos possíveis.

05.000
  4.552
 
4.552 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 5.000 assinaturas.

Prisão para os condenados na segunda instância, antes de esgotados TODOS os recursos possíveis.

Prisão para os condenados na segunda instância, antes de esgotados TODOS os recursos possíveis.

Esta petição foi criada por um cidadão ou uma organização independente de CitizenGO. Por essa razão, CitizenGO não é responsável por seu conteúdo.
+ Letter to:

Assine esta petição agora!

 
Please enter your first name
Please enter your last name
Please enter your email
Please enter your country
Please enter your zip code
Por favor, escolha uma opção:
Procesamos seus dados pessoais de acordo com nossas Política de privacidade e nossos Termos de uso.Ao assinar você aceita os termos de uso da CitizenGO e sua política de privacidade, e aceita receber mensagens de e-mail sobre nossas campanhas. Você pode cancelar seu cadastro na lista a qualquer momento.

Petição dirigida a: Aos Ministros do Supremo Tribunal Federal

Senhor(a) Ministro(a),

No dia 17/02/2016, esse Supremo Tribunal Federal, reestabeleceu o entendimento histórico de que a pena de prisão deve ser cumprida tão logo seja proferido o julgamento de segunda instância (HC 126.292-SP), revertendo, com isso, a nefasta certeza de impunidade, que tanto incentivou empresários, políticos e servidores públicos ao cometimento dos mais sórdidos crimes de corrupção jamais vistos em nosso País, talvez em todo o mundo.

Importante ressaltar que, em nenhum outro país, a execução da pena fica suspensa depois de observado o duplo grau de jurisdição, pois, para as sociedades civilizadas, a garantia de eficácia do sistema penal é princípio inerente à sua própria existência, proteção indispensável à ordem pública.

Com a popularização desse e de outros temas, antes restritos a salas de audiências e escritórios de patronos de réus abastados, a população tomou conhecimento de que, com a sentença de primeiro grau, fica superada a presunção de inocência, mas que essa decisão não é definitiva, pois o Tribunal de hierarquia imediatamente superior ao que proferiu a sentença, reexaminando os fatos e as provas da causa, pode concluir que o réu não foi autor do crime ou, mesmo, que o crime não aconteceu.

Tomou ciência, também, de que, no juízo de segundo grau, se esgota a possibilidade de aqueles fatos e provas serem revistos, ficando definitivamente fixada a responsabilidade penal do acusado, se o Tribunal concluir que houve o crime e que o respectivo autor foi o condenado.

Finalmente, também chegou ao conhecimento público que os recursos cabíveis após o julgamento em segunda instância NÃO integram o duplo grau de jurisdição nem dele derivam, pois são restritos a matéria de direito e NÃO permitem a revisão, nem dos fatos nem das provas que fundamentaram a condenação confirmada pelo segundo grau.

Portanto, ficou claro para a sociedade em geral que a inversão de entendimento ocorrida em 2010 trouxe nefastos efeitos para a segurança jurídica, para a paz social, para a credibilidade das instituições em geral e do Judiciário, em especial, e, com a decisão de fevereiro de 2016, uma grande esperança de JUSTIÇA renasceu no seio dessa sociedade.

No entanto, o responsável pela defesa de ao menos quinze políticos alvos da Lava Jato, utilizando-se do Partido Ecológico Nacional (PEN), e a Ordem dos Advogados do Brasil, cuja atuação recente tem denegrido a imagem da Instituição perante a sociedade, protocolaram, nessa Corte, as Ações Declaratórias de Constitucionalidade nºs 43 e 44, pleiteando, em resumo, o retorno da impunidade, sem a qual seus clientes certamente serão encarcerados.

Assim sendo, nesse momento, em que a recém-empossada Presidente do STF iniciou seu discurso de posse dirigindo-se à “sua excelência, o povo brasileiro”, fica evidente que o guardião supremo da Constituição está diante de dois caminhos possíveis:

1)     

uma interpretação canhestra da Lei Maior, que levará ao retorno da impunidade e ao total descrédito do Supremo Tribunal Federal; ou

2)    

a adoção do entendimento perfilhado por todos os países respeitadores dos direitos humanos e que zelam pelos valores maiores do povo: a vida, a segurança, a dignidade da pessoa humana (não de criminosos) e a propriedade, como patrimônio material e imaterial.

 

Na qualidade de cidadão brasileiro, venho expressar minha expectativa de que esse Tribunal, ao julgar a tentativa de, novamente, subverter o entendimento que tanto alento deu àqueles que prezam a lei e as instituições, cumpra seu papel de defender os valores maiores protegidos pela nossa Constituição e não os relegue a segundo plano, em nome de tecnicismos, alegados em defesa de interesses escusos e inconfessáveis, ou de conceitos distorcidos, sobre “direitos humanos” ou “dignidade da pessoa humana”, que prestigiam, tão-somente, quem descumpre a lei.

Atenciosamente,
[Seu nome]

Prisão para os condenados na segunda instância, antes de esgotados TODOS os recursos possíveis.

Assine esta petição agora!

05.000
  4.552
 
4.552 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 5.000 assinaturas.