RECONHECIMENTO E CONDENAÇÃO DO "GENOCÍDIO CRISTÃO" PRATICADO PELO ESTADO ISLÂMICO

A comunidade internacional não pode ignorar essa tragédia

 

RECONHECIMENTO E CONDENAÇÃO DO "GENOCÍDIO CRISTÃO" PRATICADO PELO ESTADO ISLÂMICO

0500.000
  222.513
 
222.513 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 500.000 assinaturas.

RECONHECIMENTO E CONDENAÇÃO DO "GENOCÍDIO CRISTÃO" PRATICADO PELO ESTADO ISLÂMICO

ÚLTIMA HORA (27 de janeiro) O Plenário da Assembleia do Conselho da Europa, acatando a proposta do holandês Pieter Omtzgt, qualificou oficialmente os atos do Estado Islâmico de “genocídio”.

Nos locais controlados pelo Estado Islâmico, milhares de cristãos – e outras minorias – foram assassinados, centenas de milhares foram forçados a abandonar suas casas, regiões ou países.

Os militantes do autoproclamado Estado Islâmico praticam verdadeiras atrocidades contra a população civil. Estão destruindo a comunidade cristã e seu patrimônio cultural no próprio local de nascimento do cristianismo.

Eles também perseguem outras comunidades, como os yazidis.

Há 20 anos, os cristãos representavam 20% da população iraquiana. Desde então têm sido discriminados, atacados, e finalmente estão sendo expulsos de seus lares. Infelizmente, hoje não mais nenhum cristão na cidade de Mosul. É o terrível resultado de muitos anos de perseguições e matanças contra os cristãos no Iraque.

A comunidade internacional não pode permanecer alheia a esse verdadeiro genocídio de cristãos no Iraque. Ela deve condenar e reconhecer explicitamente esse genocídio perpetrado pelo Estado Islâmico.

O crime de genocídio tem uma definição muito clara no direito internacional:

Crimes cometidos com a intenção de destruir completa ou parcialmente um grupo nacional, étnico, racial ou religioso.

É essa intenção de destruir ou aniquilar um grupo o que distingue o genocídio do delito de “crimes contra a humanidade”.

De acordo com o direito internacional, não só é punível o exercício do próprio genocídio, mas também “a conspiração para cometer genocídio, a incitação pública e direta ou a cumplicidade com o genocídio”. (Convenção de 1948 de prevenção e sanção do delito de genocídio e Estatuto de Roma para a Corte Penal Internacional)

O reconhecimento da existência de genocídio impõe aos estados e à comunidade internacional a obrigação de atuar para preveni-lo na medida de suas possibilidades. Também os obriga a defender as comunidades atacadas e perseguidas e a julgar e condenar seus responsáveis nas jurisdições nacionais e internacionais.

Por isso, o reconhecimento explícito de genocídio é um primeiro passo para fazer com que a comunidade internacional aja.

Alguns governos e parlamentos, como o da Lituânia, já reconheceram o genocídio dos cristãos no Iraque. A União Europeia e as Nações Unidas devem fazer o mesmo.

O genocídio está sendo perpetrado diante dos nossos olhos. Permaneceremos em silêncio?

O Parlamento Europeu debaterá este tema no dia 3 de fevereiro. Concretamente, será debatido um projeto de resolução sobre o “massacre sistemático de minorias religiosas por parte do Estado Islâmico”.

Em um recente debate sobre o tema, a Alta Representante da União Europeia, Féderica Mogherini, se negou a utilizar o termo “genocídio”.

Peça aos eurodeputados que tenha a coragem de chamar as coisas por seu nome.

O Conselho Europeu de Direitos Humanos, que se reunirá em março, disse que apoiará a iniciativa de qualificar como “genocídio” a perseguição e a matança de cristãos no Iraque.

A ONG European Center Law and Justice (ECLJ) defenderá essa posição antes que os estados membros participem.

Ao assinar esta petição, sua mensagem chegará aos porta-vozes e líderes dos diferentes grupos políticos do Parlamento Europeu. 

Para mais informação:

Convenção de 1948 de prevenção e sanção do delito de genocídio (em espanhol)

Maioria dos americanos consideram que o Estado Islâmicom cometeu o crime de genocídio (em espanhol)

Mogherini se recusa a utilizar o termo "genocídio" (em inglês)

VÍDEO: Mogherini se recusa a utilizar o termo "genocídio"

Militantes do ISIS decapitam meninos cristãos 

+ Letter to:

Assine esta petição agora!

 
Please enter your first name
Please enter your last name
Please enter your email
Please enter your country
Please enter your zip code
Por favor, escolha uma opção:
Procesamos seus dados pessoais de acordo com nossas Política de privacidade e nossos Termos de uso.Ao assinar você aceita os termos de uso da CitizenGO e sua política de privacidade, e aceita receber mensagens de e-mail sobre nossas campanhas. Você pode cancelar seu cadastro na lista a qualquer momento.

A matança de cristãos e outras minorias deve ser classificada como genocídio

Aos porta-vozes e líderes de diferentes grupos políticos do Parlamento Europeu.

Em aplicação da convenção de prevenção e castigo do crime de genocídio e do Estatuto de Roma da Corte Penal Internacional, peço que reconheça oficial e explicitamente como genocídio os crimes perpetrados pelo Estado Islâmico contra a minoria cristã e yazidi no Iraque.

Trata-se de genocídio porque há uma vontade expressa e deliberada de acabar com os cristãos, sua cultura e seu patrimônio histórico. Infelizmente conseguiram fazer isso: como deve saber, hoje não mais nenhum cristão em Mosul, por exemplo.

Peço seu compromisso oficial e expresso para prevenir esses crimes e perseguir, julgar e condenar os responsáveis e seus cúmplices, onde quer que estejam.

Na próxima quarta-feira, 3 de fevereiro, terá a oportunidade de fazê-lo na resolução sobre o “massacre sistemático de minorias religiosas por parte do Estado Islâmico”. Peço que o faça. Pelas minorias perseguidas e pela dignidade do Parlamento Europeu. 

Atenciosamente,
[Seu nome]

RECONHECIMENTO E CONDENAÇÃO DO "GENOCÍDIO CRISTÃO" PRATICADO PELO ESTADO ISLÂMICO

Assine esta petição agora!

0500.000
  222.513
 
222.513 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 500.000 assinaturas.